Gilberto Viola (PSDB) falou sobre a jornada de trabalho dos motoristas da saúde (12x36). “O mês tem 720 horas, dividindo por 48 horas (12x36), os motoristas irão trabalhar 15 dias no mês. 15 dias x 12 horas/dia = 180 horas, sendo que a carga horária é de 200 horas, o que eles não cumpririam. Sou contra conchavo, os nossos motoristas têm um padrão de vida faz muitos anos, incluindo as 60 horas extras em seus salários. Portanto, nós temos de encontrar uma solução técnica e política. Os motoristas não podem ter seus salários reduzidos e a solução pode estar em diminuirmos o serviço da terceirizada e, assim, passar o trabalho para os nossos motoristas fazerem suas h oras extras”.
Viola e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, de R$ 3,10 para R$ 3,50, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?. “Não podemos comparar o preço da passagem de Pinhal com os das outras cidades porque nossa renda per capita e nosso PIB são meno res que esses municípios, que têm as passagens mais caras”.
O presidente e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como para a limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.
Viola pede o tapa-buracos na rua Francisco Alves Leitão, em frente ao nº 105, na Vila São Pedro.

Cristina Brandão Domingues (MDB) quer saber qual a projeção para a geração de empregos até o final de 2019 e quais serão as ações governamentais efetivas para apoio e incentivo visando à geração de postos de trabalho formais através da vinda de novos negócios e qual a previsão de instalação de novas empresas no distrito industrial Waldemar Pereira. “As pessoas perguntam pra gente o que o prefeito e os vereadores têm feito pra gerar novos empregos na cidade, porque o desemprego é o principal problema. Se hoje temos, felizmente, a Aptiv/Delphi num momento bom de contratação de novos funcionários, nós temos de afirmar também que n&atil de;o queremos ver nosso distrito industrial Waldemar Pereira só com a Aptiv instalada lá. A empresa é importante para atrair outras para o distrito industrial, é isso que a população quer e espera. Gostaria de deixar bem claro que quem tem de ter essa ação efetiva é o Poder Executivo, tem de ir até a Fiesp em São Paulo, ao Desenvolve São Paulo porque há empresas interessadas em vir para o interior e, em razão disso, temos de mostrar as vantagens que Pinhal oferece nesse sentido. E aprovamos na sessão projeto do Executivo que concede benefícios através de serviços de terraplenagem em áreas reservadas à construção de barracões/galpões destinados a empresas do ramo do comércio varejista, atacadista e prestação de serviços e que se comprometam a contratar mais de 100 funcionários . É nesse momento que entra o papel do Poder Legislativo apoiando o Executivo em projetos como esse que visam buscar a geração de novos empregos, pois leis que geram despesa não podem ser feitas pelo Poder Legislativo e, sim, apenas pelo Poder Executivo. Então, a iniciativa tem de ser do prefeito”.   
Sobre o tomógrafo usado doado pelo Hospital Pérola Byington, de São Paulo, à Secretaria Municipal de Saúde através do Fundo Social de Solidariedade do Estado, Cristina espera que o aparelho funcione logo porque há 392 pessoas esperando na fila há muito tempo. “Hoje, temos como referência para fazer esse exame apenas a Santa Casa de Mogi Guaçu e o AME de Américo Brasiliense. As pessoas têm de sair de Pinhal para ir até essas cidades. Além disso, as cotas mensais para cada município são poucas”. Com base na resposta da Secretaria Municipal de Saúde a seu requerimento, a vereadora informou que o custo para sua instalação é de R$ 68,2 mil, que o contrato de manutenção do equipamento ainda não foi realizado, que o aparelho será instalado no Centro de Saúde, que o médico radiologista ainda não foi contratado e não foi respondida à pergunta da previsão de início do uso do tomógrafo. “A gente espera que entre em funcionamento o mais rápido possível ou que se faça um mutirão para atender essas pessoas”.
Cristina e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, de R$ 3,10 para R$ 3,50, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?.
Ela e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como para a limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.
Cristina pede o tapa-buracos em toda a extensão da rua Victório Mangilli, no Jardim das Rosas, tendo em vista a situação “precária” do local.


José Eduardo Martins de Souza (Du/PSD)  destacou a recente visita do deputado estadual Altair Moraes (PRB) a Pinhal, quando assinou convênio de R$ 271 mil para o asfaltamento das ruas Arnaldo Machado Florence e Plínio da Costa, na Vila São Pedro e Parque da Figueira IV. “Os moradores reivindicam essa melhoria há mais de 10 anos. Esperemos que, nos próximos meses, essas ruas sejam asfaltadas. O deputado anunciou também que fez uma indicação à Secretaria Estadual de Esporte para a construção de uma nova pista de skate (reivindicação de um grupo de mais de 30 skatistas), um campo de futebol society e uma quadra de basquete em Pinhal. A Prefeitura já recebeu ofício da Secretaria de Espo rte pedindo que informe os locais onde essas benfeitorias poderão ser implantadas. Altair Moraes sinalizou ainda que vai procurar enviar recursos à saúde através de emendas parlamentares. Agradeço ao deputado por tudo isso”.      
Em relação ao projeto do Executivo que pede a autorização da Câmara Municipal para poder contrair empréstimo na Caixa Econômica Federal no valor de R$ 11 milhões para obras de melhorias na cidade, Du explicou que “isso não foi feito antes porque o atual prefeito pegou a administração com dívidas, não podendo assumir nenhum tipo de financiamento. Mas, a partir do momento em que a Prefeitura tivesse condição de tomar essa iniciativa, ela faria e, agora, está fazendo. Há alguns meses, foi feito um estudo nesse sentido com a CEF e, na semana passada, esse plano de investimentos foi apresentado aos vereadores. É um plano muito importante que vai poder resolver alguns dos principais problemas da cidade, como o acesso ao dist rito industrial Waldemar Pereira, construção de escola municipal, reforma do prédio que abrigou o projeto Guri, pavimentação asfáltica, tapamento de buracos, aquisição de novos equipamentos, máquinas e veículos agrícolas, entre outros”.  Ele sugere a realização de audiência pública para discutir esse projeto do Executivo, que deu entrada no Legislativo na segunda-feira (7 de outubro). “Vamos discutir com as pessoas que serão beneficiadas”.
Ele parabenizou o Circolo Italo-Brasiliano Dante Alighieri pela realizado da 17ª Festa Italiana na Praça da Independência e a organização do GP Raveli pela realização das provas de ciclismo, que reuniu centenas de atletas e ajudou a movimentar o comércio da cidade.
Sobre seu projeto que institui em Pinhal a Medalha do Mérito Cultural Maestro Elsio Almas Torres, que deu entrada na segunda-feira, na Câmara Municipal, Du disse esperar sua aprovação e que o objetivo é prestar homenagem a quem se dedica à cultura. “Todo ano, em novembro, o Departamento de Cultura vai escolher três pessoas para receber essa honraria”.



Adriano Salvi (PSDB) falou sobre seu projeto de desburocratizar o procedimento de alvarás de funcionamento. “Não haveria mais a necessidade de renovar o alvará todo ano, ele seria por prazo indeterminado com renovação automática e geração normal da guia de recolhimento da taxa. Já quando houver mudança de endereço, no ramo de atividade ou alteração no quadro societário, por exemplo, o interessado ou alguém do escritório de contabilidade iria até a Prefeitura para fazer as mudanças e renovar o alvará. Em caso de denúncia comprovada envolvendo determinada empresa ou estabelecimento, o alvará seria suspenso até a sua regularização. Es se projeto, que já vigora na cidade mineira de Varginha, é uma forma de desburocratizar a parte documental, ter um controle maior por parte da Prefeitura e manter o alvará por prazo indeterminado. O objetivo é facilitar as coisas para a população”.
Ele lembrou que a lei da liberdade econômica dispensa o alvará para quem exerce atividade de baixo risco, como costureiras e sapateiros, por exemplo.
Adriano e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, de R$ 3,10 para R$ 3,50, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?.
Considerando visita feita ao pronto atendimento municipal, onde foi constatado problema em relação ao sol constante que entra e atrapalha o serviço dos atendentes que trabalham no período da tarde, Adriano indica a possibilidade de realizar a instalação de toldo ou insufilme para sanar ou amenizar o referido problema. Em caso negativo, que se estude a mudança do layout da sala de atendimento para que os atendentes não sofram tanto com o sol diário.
Ele e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como para a limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.


Marquinho Rocha (MDB) falou sobre o transporte público municipal feito pela Tuga. Ele lembra que a empresa está em Pinhal há 23 anos e criticou o serviço que vem sendo oferecido aos usuários. “Há atraso nas linhas, os ônibus são sujos (até barata foi encontrada num deles) e velhos, quebram nas ruas. Quando foi vereador, Sergio Del Bianchi Junior (atual prefeito) votou em 2016 para que houvesse licitação, mas, quando assumiu a Prefeitura em 2017, pensei que fosse fazer logo uma licitação, mas isso não aconteceu. A passagem passou de R$ 3,10 para R$ 3,50, aumento de 12,9%, bem acima da inflação. Um pequeno comparativo: o funcionalismo municipal está requerendo judicialmente a reposi ção da inflação de 3,88%, enquanto que para a Tuga ele autorizou o aumento de 12,9%. Quem está ganhando com isso além da empresa? É apenas uma pergunta, não estou acusando ninguém, mas uma certeza eu tenho: quem está perdendo são os usuários. Não acho justo subir de R$ 3,10 para R$ 3,50 e oferecer um serviço deficiente. A empresa não pode mais ficar em Pinhal sem haver licitação”.  
Marquinho e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?.
O vereador pede informações sobre os 22 novos veículos adquiridos pela municipalidade, como cópia do manual de serviços com as revisões, foto do painel com a respectiva quilometragem de cada um, colocando o número do patrimônio, placa e nota fiscal dos serviços de manutenção realizados dentro do especificado pelo fabricante.
Ele e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como para a limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.
Marquinho pede a realização de estudo no sentido de viabilizar a compra de, pelo menos, um elevador a ser instalado na Oficina Mecânica Municipal, bem como a possibilidade de realizar cursos de capacitação profissional na área de mecânica.



Milena de Souza Lima Paulista (PSD) falou sobre o projeto do Executivo que pede a autorização da Câmara Municipal para poder contrair empréstimo na Caixa Econômica Federal no valor de R$ 11 milhões para obras de melhorias na cidade. “São R$ 5 milhões para o recapeamento asfáltico, R$ 1,9 milhão para obras de acesso ao distrito industrial Waldemar Pereira, R$ 300 mil para reforma do mercado municipal, R$ 300 mil para reforma do prédio que abrigou o projeto Guri, R$ 250 mil para adequações do Centro Administrativo, R$ 800 mil para a construção de uma nova EMEB para abrigar alunos da escola João Baptista Antônio Tamaso (unidade II, que hoje está no grupinho, nas dependênci as da Escola Estadual Cardeal Leme), R$ 200 mil para obras de melhoria do pátio da EMEB João Baptista Antônio Tamaso (unidade I, que fica no Jardim Brasil), R$ 200 mil para obras de reformas/adequações de unidades escolares da educação infantil (pré-escola), R$ 200 mil para obras de reformas/adequações de creches e R$ 2 milhões para aquisição de novos equipamentos, máquinas e veículos para o Departamento de Agricultura e Meio Ambiente”.
Ela ressaltou que, além do governo estadual, a União também fez corte no repasse às Prefeituras, que acabam tendo de recorrer a empréstimos bancários para poder investir. “Mogi Guaçu, por exemplo, fez um empréstimo total de R$ 48 milhões; Mogi Mirim emprestou R$ 24,9 milhões no total; Leme, R$ 51 milhões; Limeira, R$ 65 milhões; Tambaú, R$ 6,8 milhões; Itapira, R$ 30 milhões; São Carlos, R$ 20 milhões; Porto Ferreira, R$ 26 milhões e Casa Branca, R$ 7 milhões. Muitas cidades querem fazer esse tipo de empréstimo, mas não conseguem porque têm pendência com a CEF, que faz um estudo prévio para saber se a cidade tem condições ou não de conseguir o financiamento . Pinhal pleiteia esse crédito desde fevereiro e, se o projeto for aprovado,  haverá geração de emprego e renda no município”.      
Ela parabeniza o Departamento de Cultura, na pessoa da diretora Ana Tereza de Castro Leite, e a Casa do Escritor Pinhalense Edgard Cavalheiro, na pessoa de seu presidente João Batista Rozon, pela realização da VII Semana Edgard Cavalheiro de 26 a 28 de setembro. “O evento reuniu centenas de pessoas no Theatro Avenida, que tiveram a oportunidade de assistir a apresentações culturais, palestras com escritores, feira de livros, homenagem e lançamentos de obras de autores pinhalenses”.
Como professora do Unipinhal desde 2004, a vereadora destacou o vestibular da instituição realizado no último domingo (6 de outubro), que, segundo ela, foi bastante concorrido. “É uma grande emoção para mim, para os professores e funcionários porque o Unipinhal não pode morrer, é uma importante instituição de ensino para a cidade”.
Milena lamentou a morte do radialista Compadre Faria ocorrida no último sábado (5 de outubro). “Meus sentimentos à família”.
 

Toni Zibordi (PSD) e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, de R$ 3,10 para R$ 3,50, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?. Ele defende a realização de licitação do transporte público mu nicipal. “Tem de haver concorrência, não pode haver monopólio. A gente vê em outras cidades a prestação desse serviço com ônibus mais novos e limpos. Essa licitação já tinha de ter sido feita no começo dessa administração”.
Toni solicita melhorias na estrada vicinal Pinhal/Jacutinga (MG), como a limpeza das margens/acostamento, sinalização do local, deixar à disposição um banheiro químico próximo à gruta de Nossa Senhora, limpar ao redor da gruta e lavar a capela, considerando a comemoração a ser realizada no dia 12 de outubro, feriado nacional da padroeira do Brasil, quando muitos devotos passarão por lá.
Ele pede o corte de eucalipto que está com tronco comprometido em razão da queimada. O eucalipto fica na estrada rural sentido Sertãozinho, mais precisamente um pouco antes do sítio de propriedade da família Monfardini.
O vereador solicita limpeza uma vez por semana do lixo reciclável na entrada da avenida Washington Luiz e seus canteiros, bem como na avenida Maria Joaquina.
Ele e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como à limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.


Vavá Mecânico (PSD) pede o tapa-buracos em toda extensão das ruas Joaquim Peres Domingues e Nagib Jabur, no Jardim do Trevo, e na rua Antônio Canhadas, no Jardim das Rosas, visto a grande quantidade de buracos existentes nesses locais.
Vavá indica a necessidade de canaleta para o escoamento de águas pluviais na rua Fioravante Bastoni, no Jardim Lélia, visto a danificação do asfalto, ocasionando buracos. O local é próximo à Praça da Dinda.
Ele solicita a sinalização de solo nas proximidades da rotatória da rua Cel. Joaquim Leite, no Largo São João, visto estar totalmente apagada. “A gente espera providência para evitar problema no tráfego de veículos”. 
Vavá agradece a Prefeitura por ter construído uma rotatória nas proximidades do campo de futebol da Praça da Dinda. “Já tinha feito anteriormente  indicações/requerimentos nesse sentido e fico feliz pelo atendimento desse meu pedido. Essa rotatória facilita o trânsito naquele local”.

Maria de Lourdes Santiago (PPS) e demais vereadores pedem as seguintes informações sobre o reajuste do transporte público municipal, de R$ 3,10 para R$ 3,50, já que é uma concessão feita pela Prefeitura à empresa Tuga: a) Qual o impacto financeiro do reajuste de 12,9% no orçamento municipal e se será repassado ao transporte escolar, b) nas cidades citadas no ofício nº 256/2019 encaminhado pela Prefeitura à Câmara Municipal, o transporte coletivo urbano é dono do transporte escolar? c) os valores cobrados nessas cidades colocam no mesmo patamar de renda per capita, número de habitantes e número de desempregados?.
Ela e demais vereadores solicitam informações sobre qual o planejamento a curto, médio e longo prazo em relação a melhorias na infraestrutura dos cemitérios municipal e Parque das Acácias, bem como para a limpeza e manutenção de ambos, considerando a situação “precária” desses locais.
Ela pede a colaboração da população para evitar soltar fogos de artifício a fim de não prejudicar os animais e idosos. “Na sexta-feira, foi Dia de São Francisco e às 5 horas da manhã começaram a soltar fogos de artifício, infelizmente. Fiquei indignada com isso; nesse horário, já havia gente na porta da minha casa pedindo pra eu procurar veterinário a fim de socorrer um cão que havia cortado o pescoço após ter quebrado o vidro da porta em razão do barulho dos fogos, que também prejudica os idosos. Espero que as pessoas tenham consciência e evitem soltar fogos de artifício”.
Ela lembrou que existe uma lei municipal que proíbe a soltura de fogos barulhentos, mas ainda não foi regulamentada por não haver a estipulação de multa. “Vamos ter de definir uma multa na lei para que ela seja regulamentada”.   

 

Curta Nossa Pagina

Rua Cap. João Mendes Batista Silva, 176 - Centro - Espírito Santo do Pinhal / SP - CEP: 13.990-000
Fone: (19) 3651-1918
© 2017. Todos os direitos reservados.